O luto é uma resposta natural e adaptativa a uma perda de alguém ou de algo significativo.

Assim, o luto como processo de elaboração de perda, aplica-se a diferentes tipos de perda : morte de um ente querido, divórcio, doença crónica, amputação, desemprego, entre outras.

O luto tende a vulnerabilizar temporariamente o indivíduo a vários níveis: físico, psíquico, emocional e social.  Dado ser um processo complexo é vivenciado de variadas formas, não havendo uma reação dita universal e padronizada.

A elaboração de um luto normal pode apresentar uma ampla gama de sentimentos, cognições e comportamentos, nomeadamente:  choque, raiva, tristeza, impotência, desconforto corporal, fadiga, saudade, culpa, ansiedade, alívio, emancipação, confusão, descrença, preocupação, alucinações, desesperança, choro, perturbações de sono, isolamento social, entre outros.

Não obstante qualquer uma destas manifestações se enquadrar num processo de luto normal, quando nos deparamos com uma duração prolongada no tempo, ou quando se observam reações muito intensas, permite-nos equacionar a possibilidade de estarmos perante um” luto complicado” que merece a atenção de um profissional de saúde.

Vivenciar um luto é das situações mais dolorosas para o ser humano. Nós acreditamos que o podemos ajudar a elaborar o seu luto, por forma a capacitá-lo a aceitar a realidade da perda, a pensar na pessoa ou naquilo que perdeu sem  angústia e  dor (ainda que alguma  tristeza e saudade possam estar presentes) e a voltar a sentir esperança no futuro e bem-estar.  Acredite também!

Últimos artigos

Emoções na Infância – Como Ajudar o Seu Filho – Crónica Revista Vip

Isabel Cardoso Costa Psicóloga Clínica/Psicoterapeuta- Adultos, Crianças e Adolescentes  

A brincar o mundo pula e avança – Uma visão da Pedopsiquiatria

“Aquilo que há em nós de criativo é infantil, ou vem da infância, é aquilo que fica vivo da infância, […]

Agitação Psicomotora ou Hiperactividade, o que é? A visão da Psicomotricidade

O corpo que não pára.   Nos últimos anos tem sido cada vez mais frequente falar-se de crianças com hiperatividade […]