16 de abril:  Dia Mundial da Voz

«… através da voz, traduzimos quem somos, o que sentimos e como vemos o mundo».
Mara Behlau & Paulo Pontes, Higiene Vocal: cuidando da voz, 2001

O Dia Mundial da Voz celebra-se desde 2003 e consciencializa-nos para a importância da nossa Voz e dos cuidados necessários para a preservarmos. Todos os anos é criado um lema para chamar a atenção da importância deste poderoso instrumento de comunicação.
“Eleva a tua voz – por aqueles que não a têm!”

Este dia chama-nos a atenção para a importância dos cuidados que devemos de ter com a nossa VOZ, uma vez que é através dela que conseguimos expressar ideias, emoções e intenções variadas, pelo que se revela um dos mais relevantes recursos para as atividades e participação a nível pessoal, social, profissional e artístico.

Já pensou na importância de manter a sua voz saudável?


Após uma pandemia, onde fomos obrigados a experienciar muitas vezes o silêncio das nossas vozes, mais que não seja pelo uso de máscaras imposto pela situação pandémica em que vivemos, muitas outras vozes foram silenciadas, cantores, atores, pessoas que foram infetadas com o Covid 19 e que vieram a desenvolver problemas vocais e até mesmo aquelas que não foram infetadas, mas o uso diário de máscaras , veio aumentar o número de patologias associadas à voz, uma vez que se verifica um aumento do esforço para a emissão vocal. Agora que aos poucos estamos a voltar ao trabalho presencial, á socialização diária e a deixar as marcaras na gaveta, é altura de voltarmos a elevar a nossa voz!

E para isso, devemos de o fazer com todas as condições reunidas para termos uma voz saudável e cuidada.

Prevenção: que cuidados deve de ter com a voz?


1. Hidratação (1,5l de água por dia para hidratar o seu organismo inclusive as cordas vocais, fazendo com que vibrem melhor e diminui o esforço e aumenta o rendimento vocal.);
2. Alimentação (deve de ter uma alimentação saudável, á base de vegetais e frutas nomeadamente a maçã, é um fruto que ajuda na limpeza da boca e da faringe, melhorando a ressonância da voz, o movimento de mastigar a maçã relaxa a musculatura responsável pela articulação das palavras. Deve evitar, café, chocolate, refrigerantes, alimentos gordurosos ou condimentados, que provocam a azia e/ou refluxo faringolaringeo levando á irritação da laringe e das cordas vocais.);
3. Postura (deve de ter uma postura corporal adequada enquanto fala, canta ou representa.);
4. Dormir (dormir 7 a 8 horas por dia, fazer exercício físico e não fume);
5. Respiração (quando falar, lembre-se que precisa de ar nos seus pulmões. Não fale sem suporte respiratório adequado);
6. Pigarreio (o pigarreio tem um efeito negativo nas cordas vocais devido à constante fricção, o que causa irritação da mucosa. Quando tiver vontade de pigarrear, ingira um pouco de água de forma a limpar a garganta.);
7. Vestuário (evite usar roupas apertadas na zona do pescoço e cintura, limitam os movimentos necessário para a respiração e fonação.)
8. Exercícios vocais (todos nós mas principalmente os profissionais que utilizam a sua voz como ferramenta de trabalho, nomeadamente professores, padres, cantores, atores… devem de fazer aquecimento vocal antes de a usarem por longos períodos e no fim realizar exercícios de arrefecimento vocal.)

Quando procurar um Otorrinolaringologista / Terapeuta da Fala?


1. Rouquidão persistente por mais de duas semanas;
2. Sensação de uma “bola” constante na garganta;
3. Cansaço ao falar;
4. Pigarreio frequente;
5. Dor e/ou ardor na garganta;
6. Quebra vocais frequentes;
7. Perda súbita da voz;
8. Sentir dificuldade em projetar a voz;
9. Sensação de esforço ao falar

Tal como o seu corpo, também a sua voz precisa de descanso. Repouse a sua voz!
Esteja atento à sua Voz!

Lurdes Ferreira, Terapeuta da Fala 

 

Referências Bibliográficas:
Sociedade Portuguesa de Terapia da Fala (2020), Dicionário Terminológico de Terapia da Fala. Papa-Letras
APTF (Associação Portuguesa de Terapia da Fala)
Teixeira, M.H.A (2012). A importância da voz dos professores da transmissão de informação.
Behlau, M. e Pontes, P., Higiene Vocal: cuidando da sua voz 3.ª ed. Revinter, Rio de Janeiro, 2001
Mendes, A. (et all).2013. Fisiologia da Técnica Vocal (2013). Lusociência, Lisboa
Behlau M. e Pontes P. (1995). Avaliação e tratamento das disfonias. Editora Lovise. São Paulo. Brasil